Urgências 24H
+351 926 210 984

Marcações
Online

Urgências 24H
+351 926 210 984

Marcações
Online


Clínica

Cão de Loiça – Clínica Veterinária da Linha

Quem tem um animal de estimação sabe que ele pertence à família. A nossa clínica presta um serviço completo e personalizado para todos os animais de companhia de forma responsável, aberta e profissional, sejam eles mamíferos, aves ou répteis. Transformámos a nossa paixão numa profissão e tratamos o seu animal de companhia como se fosse o nosso. Investimos em formação e trabalho para conseguirmos tirar o melhor partido dos equipamentos com vista à qualidade de vida dos animais. A saúde e o bem-estar dos animais é sempre a nossa prioridade. Temos ao seu dispor radiografia digital, ecografia, eletrocardiograma, uma sala de cirurgia, aparelhos de medição da pressão arterial, endoscopia e internamento para os animais em recuperação. O nosso objectivo é ter animais felizes e os donos satisfeitos. Uma vez paciente da Cão de Loiça, não estranhe se o seu animal deixar de oferecer resistência a uma ida ao veterinário.
MARCAÇÃO DE CONSULTAS AQUI

 


Equipa

A nossa equipa é relativamente pequena mas experiente e muito exigente. Temos áreas de actuação diversificadas para poder prestar o melhor serviço, de forma personalizada, aos nossos clientes e amigos animais.

Dr. João Piçarra

Decidi dedicar a minha vida a esta profissão e tento aperfeiçoar-me no seu desempenho a cada dia.

Licenciado em 2007 pela Faculdade de Medicina Veterinária / UTL (FMV/UTL) com passagem pela Universidad Autónoma de Barcelona. Concluiu o Mestrado em 2010 na FMV/UTL em clínica de animais exóticos com tese sobre o Circovirus dos psitacídeos. Pós-graduação em imagiologia de animais de companhia - universidade lusófona de humanidades e tecnologias em 2008 e Pós-graduação de cirurgia de tecidos moles em animais de companhia pela European School of Veterinary Post Graduate Studies em 2012.
Serviço de referência de consulta, diagnóstico e cirurgia em animais exóticos em clínicas e hospitais da Grande Lisboa desde 2008 até hoje. Foi director clínico de uma Clínica Veterinária em Cascais entre 2010 e 2014.
Sempre se dedicou à medicina e cirurgia de animais exóticos, efectuando inúmeros cursos na Europa, participou em algumas publicações e foi palestrante. É membro da Association of Avian Veterinarians desde 2007 de da APMVEAC desde 2015. Na medicina de cães e gatos tem como principais áreas de interesse a Imagiologia e a Cirurgia de tecidos moles. LER TUDO

ENTREVISTA DR. JOÃO PIÇARRA


- Em criança, o que queria ser quando fosse grande?
- Veterinário, mas no final do secundário ponderei biologia. Gostava de estar com os animais lá de casa e esse sentimento foi reforçado quando percebi que a biologia podia ter tendência a ser demasiado teórica.

- Qual o primeiro animal de estimação que guarda na sua memória?
- O cão Negus, um Serra D’Aires e a gata Pipocas, uma rafeirota com pelagem tartaruga.

- Qual a maior diferença entre cães e gatos?
- A forma como estabelecem laços sociais e afetivos com os humanos (para além de todas as diferenças médicas, naturalmente).

- Quais as dificuldades de tratar animais exóticos?
- A primeira dificuldade está relacionada com o número de espécies que se incluem no termo "exóticos”, ou seja, tudo o que não é cão e gato e se pode ter como animal de estimação. Segundo, o facto de muitos destes animais serem pouco domesticados e portanto esconderem qualquer sintoma de doença até estarem gravemente doentes, porque de outra forma seriam capturados pelos predadores. E terceiro, porque os proprietários ainda não estão tão sensibilizados como no caso dos cães e gatos para as condições necessárias para os ter em casa. É necessário conhecer as características particulares de cada espécie e saber que pode ser muito difícil proporcionar as condições de alojamento e de alimentação para serem saudáveis. Frequentemente os proprietários não têm informação suficiente sobre os animais que possuem e quem “paga” são os animais. O facto de normalmente serem muito pequenos também não ajuda nada...

- O que significa Cão de Loiça?
- Neste momento significa um compromisso que temos para quem nos confie a saúde dos seus animais. Os cães de loiça são objectos que atravessam gerações e que são tipicamente portugueses. A Clínica Veterinária da Linha tem o compromisso de fazer com que os animais tenham uma vida longa e acima de tudo com o máximo de qualidade de vida que lhes podemos proporcionar.

- Se fosse um animal, que animal seria?
- Uma ave, não sei qual.

- Quais as debilidades mais próprias de cada espécie?
- Problemas renais e urinários nos gatos, Patologias cardíacas nos cães velhinhos, problemas oncológicos principalmente em certas raças, os problemas osteo-articulares em cães de raça grande, o gostar de comer tudo o que encontram na rua quando são jovens inconsequentes, diabetes nos gatos muitas vezes associada à obesidade e sedentarismo tal como nas pessoas e não sairíamos daqui se continuasse...

- E nos exóticos?
- Essa é difícil, são tantas espécies… O stress dos coelhos, as adrenais e os linfomas nos furões, os dentes e o estômago e intestino dos porquinhos da Índia, o sistema respiratório das aves…

De onde vêm os vossos clientes?
- Muitos clientes já nos acompanham há vários anos desde os nossos anteriores locais de trabalho, outros vêm de clínicas que não tratem de animais exóticos e outros ainda vêm aconselhados pelos nossos clientes. E vêm os vizinhos na Parede!

- Os vossos verdadeiros pacientes são os animais ou os seus donos?
- São os animais, os donos só pagam as contas!

- Numa época cada vez mais marcada pela tecnologia e pela virtualidade, os animais representam um regresso à natureza?
- É a ligação verdadeira que as pessoas têm sem um ecrã pelo meio. Julgo que numa família onde haja animais, há maiores preocupações com a conservação e com a natureza.

- Qual o papel da alimentação na vida dos animais de estimação?
- É fundamental! Nos últimos anos observa-se uma grande evolução nas rações e alimentos disponíveis no mercado, incluindo nos animais exóticos, o que é bom. Infelizmente continua a haver alguma falta de informação e sensibilização dos proprietários para a importância da mesma.

- Qual a importância da experiência versus os cursos e acções de formação?
- A experiência não serve de nada sem a formação académica associada. Podemos estar a aprender de forma errada e sem os melhores resultados. Acredito na medicina baseada na evidência - alguém que se dá ao trabalho de avaliar estatisticamente e sistematicamente o resultado do tratamento e do método A ou B e conclui qual o que tem melhores resultados. Temos o dever de tratar os nossos animais da melhor forma possível, com o menor sofrimento e da maneira mais económica para o proprietário.

- Qual a maior dificuldade desta profissão?
- As limitações económicas dos clientes e o facto de os animais não falarem.

- Se os animais falassem, o que lhes diriam?
- Coisas curtas do género: Odeio-te porque me tiraste sangue; dá aí um biscoito; essa injecção é toda para mim? Quando é que posso ir embora?

Dra. Patrícia Branco

Conhecimento e profissionalismo são a chave para medicina veterinária de qualidade

Licenciada pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa em 2007, exerce medicina veterinária de animais de companhia há 9 anos, primeiro no grande Porto e em 2014-2015 no Reino Unido. 
Frequentou vários cursos dos quais se destacam a pós-graduação em medicina de animais de companhia na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias que concluiu em 2012 e a pós-graduação de cirurgia de tecidos moles em animais de companhia pela Universitat Autònoma de Barcelona em 2013. Em 2015 frequentou o curso de cirurgia de tecidos moles da European School for Advanced Veterinary Studies (ESAVS).
Tem como principais áreas de interesse a cirurgia de tecidos moles, oftalmologia e dermatologia.

Dra. Mónica Pedro

Tratar com dignidade e carinho para um comportamento equilibrado

Formada em 2011 pela Faculdade de Medicina Veterinária na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), concluiu o Mestrado com um estudo sobre a relação entre os factores ambientais causadores de stress e a pressão arterial felina. Foi Monitora na 1ª e 2ª edição da Pós-Graduação de cirurgia de animais de companhia da Universidade Lusófona de 2008 a 2010 e frequentou diversos cursos e congressos ao longo dos anos, tendo sido palestrante no colóquio de comportamento animal da ULHT em Junho de 2011.

Fez voluntariado na clínica da Liga Portuguesa dos Direitos dos animais em 2011, onde ficou mais tarde a trabalhar de 2013 a 2017, tendo também exercido funções noutra clínica na área de Lisboa de 2012 a 2014. Sempre teve especial interesse na área do comportamento e bem-estar de animais de companhia, pelo que tem como principal objectivo proporcionar aos seus pacientes uma boa experiência durante as consultas, num ambiente amigável. Acredita que estes merecem sempre ser tratados com dignidade e carinho e tenta todos os dias garantir que terão a melhor qualidade de vida possível, quer a nível físico, como psicológico.

Enf. Mónica Silva

Todos os animais merecem o nosso carinho e respeito

Licenciou-se em 2013 em Enfermagem Veterinária na Escola Superior Agrária de Elvas, na qual realizou vários seminários, workshops, entre os quais o curso teórico-prático em fisioterapia. Trabalhou e realizou vários estágios em Clínicas e Hospitais Veterinários, entre os quais o Hospital Veterinário Pet 24, em Alfragide, e Alma Veterinária, no Cacém. Integra a equipa da Clínica desde Abril de 2018. 
Desde muito nova que sente um grande carinho pelos animais e espera poder recompensá-los por todo o amor que eles nos transmitem no dia-a-dia com o seu trabalho como Enfermeira Veterinária.
Tem como principais áreas de interesse a fisioterapia animal, enfermagem em animais exóticos e comportamento felino. .

 

 

Dra. Lia Ribeiro

Mais do que uma profissão, ser médica veterinária é um modo de estar na vida.

Formou-se em 2011 concluindo o mestrado na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa sobre as alterações hemodinâmincas renais em gatos com doença renal e tem uma pós-graduação em cirurgia de tecidos moles pela ESVPS (2012) e formação avançada em anestesiologia pelo Centro de Cirúgia de Mínima Invasión Jesús Úson de Cáceres (2011). Frequentou outros cursos e congressos sobre as várias áreas da medicina interna de cães e gatos.
Trabalhou em hospitais veterinários da região de Lisboa e exerceu durante um ano funções de anestesista num centro de referência.
Tem como áreas de interesse a anestesiologia, medicina felina, cirurgia de tecidos moles e cirurgia minimamente invasiva de cães e gatos. LER TUDO


ENTREVISTA / DRª LIA RIBEIRO

- O que significa Cão de Loiça?
- No início foi mais brincadeira e quando se repetia soava bem. Explorando um pouco mais, significa algo que embeleza a casa, pertencente à família, que tem que ser tratado com cuidado e transmite boa disposição.

- De onde vêm os vossos clientes?
- A grande maioria já nos conhece há alguns anos, são pessoas que confiam em nós. Nesta profissão apenas faz sentido trabalhar assim, com uma grande base de confiança que se constrói ao longo do tempo.

- Qual a maior dificuldade desta profissão?
- As dificuldades económicas e o tempo médio de vida da grande maioria dos animais ser muito inferior à dos seus donos. É duro para nós profissionais ver momentos de despedida ao fim de muitos e bons anos de convivência.

- Qual a importância da experiência versus os cursos e especializações?
- Na área médica é fundamental ter a mente aberta. As várias áreas dentro da clínica de pequenos animais a que me dedico estão em permanente mudança e é nossa responsabilidade enquanto profissionais seguir esses avanços. Não basta gostar de animais, tem de haver um compromisso entre a experiência adquirida e a permanente renovação de conhecimentos. Já mudei várias práticas de dia a dia ao longo do tempo porque os estudos concluíram que deveria mudar.

- Qual a maior diferença entre cães e gatos?
- O cão é mais domesticado, mais talhado ao nosso modo de estar. Gosta de nós de forma muito explícita, sem preconceitos. O gato é místico, faz-nos sentir especiais com qualquer demonstração de afecto e confiança e escusado será dizer que não confiam em qualquer um.

- Se fosse um animal, que animal seria?
- Uma gata

- Em criança, o que queria ser quando fosse grande?
- Médica dos animais. Desde que me lembro de existir que me sinto feliz rodeada de animais, inicialmente gatos e mais tarde cães. Sendo filha de um médico, admirava o seu trabalho e sonhava em aplicá-lo aos animais.

- Qual o primeiro animal de estimação que guarda na sua memória?
- Uma gatinha, a Chica

- Numa época cada vez mais marcada pela tecnologia e pela virtualidade, os animais representam um regresso à natureza?
- Uma criança que conviva com um cão desde pequena tem uma linguagem corporal diferente, mais natural. Da mesma forma reconheço facilmente um gato que partilhe a casa com uma criança, é mais descontraído e mais facilmente manipulado. São inúmeros os estudos que comprovam as enormes vantagens no convívio com animais de estimação: funcionam como factores anti-stress, de alguma forma fazem sentir-nos mais relaxados e à vontade e relembram-nos de onde viemos e quem somos. Frequentemente quer a minha gata quer a minha cadela (escusado será dizer que cada uma com a sua estratégia) me impedem de estar muito tempo ao computador porque querem atenção...

- Os animais de estimação fazem parte da família?
- Fazem sim. Noto isso principalmente nas gerações mais novas.

- Qual o papel da alimentação na vida dos animais de estimação?
- É muito importante. As pessoas estão cada vez mais sensibilizadas para tal, sobretudo no que respeita aos cães e gatos. Infelizmente, nos exóticos ainda há um grande desconhecimento nesta e noutras áreas relativamente ao seu maneio e bem-estar.

- As tosquias são beleza ou saúde?
- Podem ser uma ou outra, mas frequentemente são um pouco das duas. Basta pensar que um gato, coelho ou cão que tenha pelo comprido e que não seja frequentemente escovado pode ter nós nas axilas que lhe causam dor ao mover-se.

- Os vossos verdadeiros pacientes são os animais ou os seus donos?
- Os animais sem dúvida! Os donos que confiam em nós são bons seres humanos e procuram-nos de forma justificada.

- Se os animais falassem, o que diriam?
- Tens aquela lata da outra vez aí dentro? Porque falas comigo com vozes estranhas? És bipolar? Ora me fazes cócegas, ora me contrarias…

Bella

Biscoito?

Apesar de já ter colaborado com outras clínicas veterinárias, é na Cão de Loiça que amadureceu enquanto profissional na arte de hipnotizar os clientes e levá-los de forma subtil ao boião de biscoitos para que desta forma lhe seja pago o ordenado. Desempenha com afinco as funções de animadora social com especial destaque em pacientes geriátricos da sua espécie e de sexo masculino.


Serviços

  • Endoscopia Rígida

    Tem múltiplas utilizações, nomeadamente para realizar diagnósticos e tratamentos em muitas espécies de animais que de outra forma não seriam possíveis ou estariam dependentes de procedimentos invasivos com recuperação e riscos acrescidos. Recentemente ini VER MAIS

  • Radiografia Digital

    Permite ver o interior dos nossos animais com uma definição excelente e sem poluir o ambiente com películas radiográficas clássicas e líquidos de revelação tóxicos!! É fundamental na VER MAIS

  • Ecografia

    É muito útil para avaliar os tecidos moles dos nossos pacientes. Não é um meio invasivo e não emite radiação como a radiografia. VER MAIS

  • Análises laboratoriais

    Fundamental para resolver situações de urgência dependentes de um diagnóstico rápido sem estar dependente de laboratórios externos, transportadores, etc. Realizamos análises bioquímicas VER MAIS

  • Pressão arterial

    Durante décadas este parâmetro foi quase ignorado na medicina veterinária mas a sua subvalorização pode ser catastrófica. Temos diferentes meios de monitorizar a pressão arterial para poder aplicar a todos o VER MAIS

  • Cirurgia

    Possuímos uma sala para os procedimentos cirúrgicos com equipamento específico anestésico e de monitorização moderno, pensado para proporcionar a maior segurança, eficácia e bem-estar VER MAIS

  • Recobro

    Luz solar comprovadamente importante para a recuperação de doentes, jaulas confortáveis de cor clara sem os tradicionais e ruidosos metais, mantas e resguardos confortáveis, ambiente tranquilo e amigável VER MAIS

  • Banhos e tosquias

    Profissionais experientes, equipamento apropriado e produtos de qualidade para que o banho seja um prazer para o animal e que ele vá para casa cheiroso (e sem reacções alérgicas aos produtos aplicados). VER MAIS

  • Nutrição

    Alimentação e aconselhamento de dietas de alta qualidade para cães, gatos, herbívoros, aves e répteis, de acordo com as características de cada paciente. VER MAIS

  • Electrocardiograma

    É um meio de diagnóstico muito simples de realizar, não invasivo, aplicável a todas as espécies animais e fundamental na clínica de animais de companhia.
    VER MAIS


Histórias

O GUINCHO DA PRAIA DA PAREDE

Este jovem Guincho-comum foi encontrado a 1 de Novembro na rebentação da praia da Parede sem força para mais nada senão aguardar por uma espécie de milagre... E não é que teve sorte? Depois de ser recolhido e assistido na nossa clínica durante os primeiros dias (foi aquecido, colocado a soro intravenoso, tomou antibióticos e iniciou-se a nutrição assistida), levámo-lo para o centro de recuperação de animais silvestres de Monsanto (http://www.cm-lisboa.pt/viver/ambiente/lx-cras) onde iniciou um grande trabalho de recuperação de forma a regressar à forma física que lhe permita viver, alimentar-se, fugir de seres humanos e eventualmente migrar para Norte com os seus companheiros (!). Neste momento já se encontra na ultima fase da sua recuperação para que possa ser libertado. Os indícios são bons. Força aí, Guincho!


BRUCE E MEG - UM CASAL À ANTIGA

Cada um com a sua personalidade e, como se vê, os anos não pesam na sua relação. A saúde do Bruce já passou por alguns precalços que chegaram a levá-lo à mesa de operações por mais do que uma vez. A sua vontade de desfrutar a vida e o apoio da sua familia humana e companheira canina, faz com que esses factos sejam hoje recordações insignificantes que nada mais representam do que um par de comprimidos diários.
Força casalinho, adoramos ver-vos!


ROCKY - O HERÓI AÇORIANO

O Rocky, tal como 99% dos bulldog, nasceu com problemas respiratórios. No seu caso impediam-no de brincar e de fazer os seus passeios pois ficava rapidamente com falta de ar. Por essa razão, meteu-so no avião e veio de São Miguel diretamente à Cão de Loiça para corrigir as narinas e o tamanho excessivo do seu palato mole. Agora o ar pode chegar melhor aos seus pulmões e pode recuperar aquela alegria de cão. Vamos ter saudades tuas ROCKY!


GATO BIGODES

O Bigodes vive com a sua linda mana Marie desde que nasceu. Um dia a Marie foi levada lá de casa para ser esterilizada e o Bigodes entrou em pânico, provavelmente achou que ela teria sido raptada e desesperado encontrou uma janela com abertura por cima. Ao tentar sair ficou preso durante pelo menos 2 horas sem conseguir libertar-se. Fez um trauma medular grave que o impedia de mover os membros posteriores e de urinar de forma voluntária. Felizmente teve uma recuperação fantástica e não tem qualquer sinal de tudo pelo que passou.


PAPAGAIO LOURO

Este papagaio Amazona aestiva de 25 anos roeu o que não devia e teve de ser submetido a uma endoscopia de urgência para retirar mais de 10 fragmentos metálicos alojados no papo. Já apresentava sinais graves de intoxicação por metais pesados (hemorragia gastrointestinal, anemia, hepatite e vómitos). Quando teve alta presenteou-nos com várias danças e palavras simpáticas. Não é todos os dias que os nossos pacientes nos tratam por"BÉBÉ"!



Conselhos

BRAQUICÉFALOS - A DOENÇA NORMAL?

Será que o ruído dos Pug, Bulldog e cães de outras raças de focinho curto (chamados braquicéfalos) é normal ou pode estar associado a  uma dificuldade respiratória que lhes causa sofrimento e pode ser fatal? A resposta é fácil: Embora actualmente esteja presente na maioria dos animais destas raças, o síndrome braquicéfalo é uma doença respiratória (e não só) grave.

As organizações veterinárias mundiais e nacionais recomendam uma criação responsável destas raças, seleccionando exemplares isentos dos problemas associados a conformações anatómicas braquicéfalas extremas.

Nós temos um papel fundamental na sensibilização da população, esclarecendo a realidade escondida por trás destas características físicas particulares e “adoráveis”. A seleção pouco responsável destas raças leva aos seguintes problemas:

- Estenose (obstrução) das narinaS
- Obstrução intranasal
- Alongamento do palato mole
- Eversão dos sáculos laringes
- Colapso da laringe
- Hipoplasia traqueal
- Fibrose pulmonar
- Refluxo gástrico, hérnia de hiato e gastrite 

A cirurgia de correção da estenose nasal e palatoplastia (mais eventual remoção dos sáculos laríngeos) é um recurso que permite eliminar sintomas e melhorar a qualidade e tempo de vida dos nossos amigos. É feita com frequência e bons resultados na nossa clínica mas… podia evitar-se!


LEISHMANIOSE

A Leishmaniose é uma doença causada por um parasita protozoário microscópico, a Leishmania, transmitido através da picada de um insecto semelhante a um mosquito, a que os cães são muito susceptíveis. Os que habitam na região metropolitana de Lisboa estão entre os que correm maior risco de serem infectados.

A doença habitualmente manifesta-se através de febre, perda de peso e alterações cutâneas como por exemplo: feridas que não cicatrizam, crostas, pele espessa, seca e escamosa, queda de pêlo, principalmente à volta dos olhos e na margem das orelhas, ou crescimento exagerado das unhas. No entanto, pode também evoluir de forma muito grave, causando insuficiência renal, hepática, anemia ou artrite, sendo fatal se não for tratada. 

Hoje em dia existe tratamento para muitos dos casos de Leishmaniose canina, mas implica medicação e acompanhamento veterinário prolongados, frequentemente para toda a vida.

Felizmente existem várias medidas eficazes para evitar a infecção do seu cão, e idealmente deve ser adoptada uma combinação delas, adaptada às necessidades de cada cão e tutor. Pergunte-nos qual a melhor solução para si.


NUTRIÇÃO - O QUE IMPORTA SABER?

Sabia que uma enorme parte das doenças identificadas nos nossos animais são causadas por erros alimentares? 

Nem sempre é fácil proporcionarmos uma boa nutrição aos nossos queridos animais de estimação e existem muitas ideias sobre qual a melhor alimentação, nem todas com grande fundamento.
A alimentação ideal é aquela que possui todos os nutrientes nas quantidades adequadas, tolerada pelo trato gastrointestinal do animal, é saborosa, acabada de cozinhar (ou com produtos frescos crus) e sem quaisquer aditivos. Mas quantos de nós terão tempo e disponibilidade para preparar de forma adequada o alimento perfeito e equilibrado para os nossos animais? É esta a razão da existência das rações formuladas granuladas para as várias espécies de animais. Com um preço relativamente baixo, é possivel ter uma alimentação completa, equilibrada e com um grande prazo de validade grande que nos deixa tranquilos sobre a nutrição dos nossos amigos. 

Comecemos pelos cães e gatos:

São todas as rações iguais? Como podemos diferenciá-las?
1. Formulação. A quantidade necessária dos diferentes nutrientes está muito bem estudada nos cães e gatos. Nos últimos anos cada vez mais surgem fórmulas "naturais" para carnívoros que não têm obrigatoriamente que ser melhores nem que se adequar à maioria dos animais. A demonização dos cereais também parece ser mais uma moda do que propriamente uma verdade científica. Não se assuste, as marcas premium e super premium de há 10 anos atrás não ficaram más de repente!
2. Origem dos nutrientes. Existe diferença entre produtos alimentares e subprodutos. Os primeiros tendem a ter um valor nutricional mais elevado e um sabor mais atractivo naturalmente. A utilização dos subprodutos leva frequentemente a carências nutricionais e à necessidade de utilização de aditivos para esconder o sabor menos agradável. O excesso de sal é um 
3. Os aditivos nas rações da UE estão perfeitamente legalizados e são seguros. Claro que pode haver intolerâncias individuais pontuais ou no futuro ser descoberto um efeito negativo para a saúde de determinada substância. Assim, não há que perder o sono com eles embora, claro, quanto menos tiver, melhor.
4. Os produtos biológicos são melhores para a saúde? Não existe grande evidência científica deste facto, no entanto parece sim que são melhores para o meio ambiente.

E nos exóticos?

No caso das aves, a formulação de dietas carece ainda de informação científica mais completa. Parece no entanto unânime entre os veterinários que o uso exclusivo de sementes é incompleto, desequilibrado e aumenta o risco de transmissão de algumas doenças, em particular de infeções fúngicas extremamente letais. O risco de intoxicações causadas por aditivos ou produtos da agricultura é também de ter em conta, dado o tamanho reduzido das aves.
Posto isto, optámos por ter na nossa clínica uma ração formulada e de agricultura biológica, com uma boa palatibilidade para que as aves a aceitem. Na nossa experiência parece mais que obvio o benefício deste alimento formulado em particular.

Nos roedores é fundamental ter em conta a quantidade de fibra, de carbohidratos e de cálcio (Ver conselhos sobre coelhos). Optámos por ter rações que nos dão essa garantia e que têm também contribuido para a evolução das rações a nível mundial. Os resultados mais uma vez são evidentes.

Nos répteis há menos informação sobre formulação de dietas e menos escolha no mercado, assim como uma variedade de especificidades nutricionais que não encontramos nos restantes grupos anteriormente discutidos. Procuramos encontrar um compromisso entre os vários factores em cada caso e temos disponiveis rações para as espécies mais comuns da melhor qualidade possível e optámos por uma marca que nos vem dando essas garantias.


DENTISTAS DE COELHOS E ROEDORES


Os procedimentos dentários em coelhos não são uma simples ida ao dentista! É necessário uma anestesia geral com intubação da traqueia (procedimentos com grau de dificuldade elevado quando comparando com as outras espécies), para se conseguir executar os tratamentos necessários.
As boas notícias são que podemos evitar a grande maioria dos problemas dentários, habituando estes "indivíduos de grandes orelhas" a uma alimentação adequada em carbohidratos e fibra.
 


ESPÉCIES EXÓTICAS, ESPÉCIES PROTEGIDAS E DOCUMENTO CITES

Cada espécie animal tem exigências legais e necessidades ambientais, alimentares e sociais específicas. Ao adquiri-la, devemos informar-nos e certificar-nos de que vamos ser capazes de as satisfazer.
Uma aquisição pouco planeada pode levar a um futuro problema grave para o dono e a sofrimento para o animal.
A maioria das espécies exóticas comercializadas são sujeitas a regulamentação internacional de forma a protegê-las do tráfico ilegal e do risco de extinção. Certifique-se numa fonte segura sobre a origem do seu novo animal de estimação e da documentação que o deve acompanhar. Pode procurar-nos para o aconselhar e ajudar na legalização, se for o caso. Estamos cá para prestar todos os esclarecimentos de que precisar!


GATOS!

A minha gata ensina-me todos os dias a ser melhor pessoa.
Ensina-me que o homem não é o centro do mundo, ensina-me que o amor nem sempre se materializa com contacto físico, aquele pestanejar subtil transmite-me paz, plenitude, equilíbrio com a natureza, e não é um verdadeiro prazer sentir este equilíbrio em pleno meio cosmopolita? Tenho um amor platónico, a Gata Teresa. Só assim se justifica as milhares de fotos que lhe tiro e para as quais nitidamente posa. Não acho os gatos egoístas, são apenas mais selvagens, menos domesticados e humanizados que os cães. De certa forma mais puros e genuínos, mais frágeis e complexos. O conhecimento sobre a sua origem e forma de estar permite-nos ter gatos felizes e com auto-estima. É fundamental que tenham um ambiente com brinquedos, sítios altos onde relaxar, uma casa de banho limpa, água limpa numa fonte, taça de vidro ou inox, dieta apropriada e ajustada à quantidade de exercício que praticam. É igualmente importante que não seja privado da companhia de diferentes pessoas e animais desde tenra idade, pois têm um período de socialização mais curto que os cães e a partir dessa fase podem temer o desconhecido.



Contactos

MORADA Av. dos Maristas, 5 (Loja) — 2775-242 PAREDE
(NO CRUZAMENTO COM A RUA ANTÓNIO LOURO, COM ACESSO A PARQUE GRATUITO)

TELEFONE +351 214 537 955 URGÊNCIAS 24H +351 926 210 984

WEB www.caodeloica.pt | clinica@caodeloica.pt

HORÁRIO: Segunda a Sexta 10h00-19h30 | Sábado 10h00-15h00

MARCAÇÕES ONLINE - CLIQUE AQUI

URGÊNCIAS 24H

+351 926 210 984